Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

PLAYMOBLOG

Estas pequenas figuras foram os heróis da minha infância. Os clicks valeram-me horas de brincadeiras partilhadas com os amigos lá da rua. Estiveram vários anos encaixotados. Hoje são um legado para a minha filha.

PLAYMOBLOG

Estas pequenas figuras foram os heróis da minha infância. Os clicks valeram-me horas de brincadeiras partilhadas com os amigos lá da rua. Estiveram vários anos encaixotados. Hoje são um legado para a minha filha.

São Valentim what else?

 

IMG_20170213_205407

Perguntaram-me um dia destes se acreditava no amor. Respondi sem hesitar que sim. Mas depois tive que pensar. Porque sei que há histórias de amor que não têm finais felizes e que nem todas as pessoas são felizes. Tive que me questionar se estes factos me faziam deixar de acreditar...

A mim o Cupido sempre me pareceu meio tonto e um tanto ou quanto demente para acertar como deve de ser com aquelas pequenas flechas (pequenas demais para serem levadas a sério, na minha opinião) e tornar corações saturados de rotinas e de quotidianos difíceis, em corações apaixonados. Tanta lamechice só lhe pode toldar a visão e por isso, começo a achar, que falta a pontaria ao pequeno ser, não tão poucas vezes quanto isso.

E as histórias de amor ficam assim, incompletas. Os supostos apaixonados ficam meio abananados, sem saber o que fazer, trocando a espada com que deveriam lutar pela sua dama, por incertezas. Elas, as supostas apaixonadas ficam consumidas pelas dúvidas e sem forças para lutar com as incertezas alheias. Ambos com o coração atingido por aquelas pequenas setas, cujas feridas ali permanecem, mas incapazes de viver o amor.

Algumas vezes porém o rapazito das asas lá acerta e há quem viva verdadeiros contos de fadas. Felizardos esses! Conheço poucos, mas os suficientes para acreditar no amor. Passei foi a ter a certeza de que o amor não é para todos.

- Mariiia, ó Mariiiiaaaa! Onde é que o raça da mulher se enfiou? Já está a falar sozinha... Parvoíces por certo!! As cabras precisam de ser ordenhadas, o pão está por fazer e o meu almoço nem vê-lo!! Ela que ve venha cá falar que temos que tornar a nossa vida especial que eu perco as estribeiras! Oh lá se perco!