Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PLAYMOBLOG

Estas pequenas figuras foram os heróis da minha infância. Os clicks valeram-me horas de brincadeiras partilhadas com os amigos lá da rua. Estiveram vários anos encaixotados. Hoje são um legado para a minha filha.

PLAYMOBLOG

Estas pequenas figuras foram os heróis da minha infância. Os clicks valeram-me horas de brincadeiras partilhadas com os amigos lá da rua. Estiveram vários anos encaixotados. Hoje são um legado para a minha filha.

A Rocha Vermelha

A Rocha Vermelha tem amelhor vista de todo o parque nacional de Playmobil.

Na região todos conhecem a história de como a grande pedra ficou assim, vermelha:

 

Há muito muito tempo atrás, no principio do mundo, o último dos dragões era perseguido incessantemente pelas suas valiosas escamas. Elas não eram só um precioso troféu, como curavam doenças e serviam de moeda de troca nos negócios mais arrojados.

Nesse tempo, o Homem era muito ganancioso e perseguiu até à extinção esta espécie, em busca de glória e sobretudo riqueza.

 

O último dos dragões vivia em fuga constante, até que depois de uma luta particularmente violenta decidiu não parar de voar, até que as suas asas já não aguentasem mais o peso do seu robusto corpo. Foi assim que o último dragão descobriu esta grande rocha e nela pousou, admirando a magnífica paisagem que dali se avistava. 

 

Exausto, enroscou-se e ficou por ali a contemplar o local até que acabou por adormecer, feliz de certa maneira, por ter encontrado tão belo lugar. Não mais acordou, pois sem perceber, uma seta perfurara por debaixo da sua asa, no seu ponto mais vulnerável e por ali perdera grande parte do seu sangue enquanto dormia e a rocha tingiu-se de vermelho. 

 

Passariam muitos sóis e muitas luas, até que a carcaça do último dragão fosse quebrada pelo vento, levada pela chuva e engolida pela terra. Mas a rocha ficaria para sempre vermelha.

 

A cria

Nasceu uma cria de urso no Parque Nacional de Playmobil!

 

A mãe, Pata-Negra, conhece cada recanto do parque e mostra-os agora à pequena cria.

Uma pequena clareira junta ao rio, é um dos locais preferidos da mãe ursa, pois sabe que frequentemente tem ali à sua espera uma guloseima dada pelo Fred, o guarda-florestal do parque.

 

Hoje, é a primeira vez que Pata-Negra traz aqui a sua filhota, que logo se aproxima de Fred, curiosa.

Enquanto se deixa farejar, Fred aproveita para verificar se a cria está bem de saúde e nesse processo, surge-lhe de imediato um nome para ela: Pata-Tenra!

 

 

Na savana

Grandes e pequenos animais da savana encontram-se reunidos na Rocha do Conselho.

Foram convocados pela Leoa Branca pois há uma comunicação importante a fazer: o Homem libertou no território um elefante criado desde pequeno num refúgio para animais. 

 

Todos se lembram do dia em que mataram a matriarca da manada dos elefantes para lhe arrancarem os dentes e como durante dias a fio o seu pequeno filhote deambulou por ali chorando a sua morte e pedindo ajuda. Até que um dia deixaram de o ver e todos imaginaram que tivesse morrido.

 

O pequenote tinha sido recolhido exausto e faminto e criado num refúgio de elefantes, longe dali e agora regressava a casa já um elefante feito. 

Mas já não há elefantes no território. Há muito que abandonaram estas paragens, dizimados por causa do marfim. Assustados pela perseguição do Homem, partiram em busca de melhor refúgio.

 

Caberá agora a cada animal da savana, grande ou pequeno, que voe ou que rasteje, ensiná-lo a viver no território e a ser um verdadeiro elefante.

Quem sabe, se dentro de pouco tempo terão de novo uma manada na savana?