Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

PLAYMOBLOG

Estas pequenas figuras foram os heróis da minha infância. Os clicks valeram-me horas de brincadeiras partilhadas com os amigos lá da rua. Estiveram vários anos encaixotados. Hoje são um legado para a minha filha.

PLAYMOBLOG

Estas pequenas figuras foram os heróis da minha infância. Os clicks valeram-me horas de brincadeiras partilhadas com os amigos lá da rua. Estiveram vários anos encaixotados. Hoje são um legado para a minha filha.

O caminho da água | Water path

IMG_1004

É a primeira tarefa da manhã. Ainda todos dormem, incluindo o sol, quando Raissa sai de casa para ir buscar esse bem tão precisoso e indispensável: água. Ir mais tarde significa um maior esforço, pois o calor aperta e o caminho ainda é longo. O poço fica a meia hora de caminho e por norma, Raissa percorre-o sozinha, aproveitando a solidão daqueles minutos para delinear as tarefas do dia e colocar em ordem os seus pensamentos. São praticamente os únicos momentos do dia que tem exclusivamente para si.

O caminho de volta, já o faz normalmente acompanhada por alguma amiga ou vizinha, que tem as mesmas responsabilidades que ela. Ao contrário da ida, que é feita numa espécie de meditação, a vinda é um momento de encontro e de tagarelice, de risos e brincadeiras.

 

It's the first task of the day. Still everyone is sleeping, including the sun, when Raissa get out to go get that precious good: water. To go later, means a lot more effort, as she sun rises and the heat increases a lot, and the path is long. The well is about half an hour distant and usually Raissa makes it alone, taking that moments to ornanize the tasks of the day and to put in order all her thoughs. These are the only few moments that she as exclusively for herself.

In the way back she as some company of a friend or a neighbour with the same responsabilities. The path to the well is made in some kind of meditation, but the way back is a moment of encounter, laughter and playtime, preparing the day ahead.