Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PLAYMOBLOG

Estas pequenas figuras foram os heróis da minha infância. Os clicks valeram-me horas de brincadeiras partilhadas com os amigos lá da rua. Estiveram vários anos encaixotados. Hoje são um legado para a minha filha.

PLAYMOBLOG

Estas pequenas figuras foram os heróis da minha infância. Os clicks valeram-me horas de brincadeiras partilhadas com os amigos lá da rua. Estiveram vários anos encaixotados. Hoje são um legado para a minha filha.

Jo e os cavalos | Jo and the horses

IMG_9235

Josefa herdou da avó duas coisas: o nome, que simplesmente odeia, exigindo ser tratada por Jo; e a paixão pelos cavalos. A sua memória mais feliz foi a primeira vez que galopou. Ela tinha três anos e a avó sentou-a no cavalo junto a si e disse-lhe baixinho ao ouvido: prepara-te que vamos voar!

Desde esse dia, sempre que alguém não sabia dela, era certo e sabido que a iria encontrar a deambular pelos estábulos a ver os cavalos.

A habilidade natural que possuía para cuidar dos cavalos, era igual à sua aptidão para os montar. A avó ensinou-lhe a ter respeito e compaixão pelos animais. Mostrou-lhe como uma voz dócil e uma mão firme faziam muito mais do que o chicote e as esporas.

Ainda é uma menina e a avó já confia para curar alguns cavalos dos muitos que tem na sua quinta para recuperar. O futuro da Jo são sem sombra de dúvida os cavalos.

 

Josefa inherited from her grandmother two things: the name, wich she simply hates, demanding to be treated as Jo; and the passion for horses. Her most happy memory is the first time she galloped. She was three years old and her grandmother sat her on the horse, close to her and softly said to her: we are gonna fly! 

Since that day, whenever someone didn´t knew Jo's whereabout, she most likely be at the stables, with the horses.

Her natural skill to take care of the horses was equal to her ability to ride them. Grandmother teached her to have respect and compassion for the animals. She showed her how a gentle voice and a firm hand would do much more than the whip or the spurs.

Jo is still a girl, but gradmother already trusts her to heal some of the many horses she has on the farm to heal up. There´s no doubt that Jo´s future are the horses.

A nova vida da Pintarolas | Spots new life

IMG_5862

De crina escovada e lustrosa, a Misty segue atrás da sua grande amiga Pintarolas. São ambas residentes do Pony Ranch, o centro hípico mais movimentado da região e as suas boxes são mesmo ao lado uma da outra.

A Pintarolas foi um cavalo de saltos, mas após uma queda muito feia, uma das sua patas ficou irremediavelmente afectada e agora dificilmente voltará a saltar. Após uns tempos difíceis, a Sara, a sua dona resignou-se com o fim da sua carreira de saltadora e agora aproveitam imenso as duas, fazendo grandes passeios. A Pintarolas continua a ser muito forte e a gostar de novos desafios e estes passeios parecem ter sido feitos à sua medida.

A Misty pertence à doce Joana. Tem um carácter dócil, mas é forte e robusta. Nos corredores do Pony Ranch conta-se vezes sem fim um episódio que envolveu as duas éguas: após a sua queda e ao chegar ao Pony Ranch, a Pintarolas mal se tinha na pata e com medo e dores, não deixava que ninguém se aproximasse para a ajudar a entrar na sua box. Nesse momento, chegava a Misty de um passeio e aproveitando uma distracção da dona, colocou-se ao lado da Pintarolas, amparando-a, ajudando-a a entrar. Todos os que assistiam, mal acreditaram e a história já quase virou lenda.

 

 

With brushed glossy horsehair, Misty follows her great friend Pintarolas. They both live at the Pony Ranch, the most busy equestrian center around and their stables are side by side.

Pintarolas was a jumping horse, but after a pretty ugly fall, one of her legs was seriously damage and problably she will never jump again. After a hard time overcoming these fact, Sara, Pintarolas's owner resigned with the end of their jumping career and now they are enjoying themselfs by taking long walks as Pintarolas is still a strong horse that likes challenges. These long walks seems feeted for them.

Misty belongs to sweet Joana. She is calm, but strong and robust. In Pony Ranch's the story of Misty and Pintarolas is told countless times. After falling, and when arriving to Pany Ranch, Pintaloras was barely able to stood in her feet as she was frightened and in pain, and she didn't let anyone touch her to help her get into her stable. In that time, Misty arrived and stood up by Pintarola's side, protecting her not to fall, and helping her into the stable.

Those who saw this happening barely believed it, and this story is becoming a legend.

Uma ajuda preciosa | A precious help

 IMG_5456

Não há nada melhor que percorrer a floresta aos primeiros raios de sol.

Usufruir daqueles longos minutos em que ainda se podem ver os animais da noite a recolherem aos seus abrigos e os outros, aqueles que primeiro acordam, a iniciar um novo dia, em busca de alimento.

Perceber as flores a erguerem-se, gozando do calor da luz do dia que principia, deixando para trás o frio da noite, que encarquilha caules e folhas.

Sentir o gelo da madrugada a derreter e ver a terra acolher essas pérolas de orvalho.

Os dias no campo começam assim, bem cedo. Hoje é dia de apanhar batatas. O João e a Maria vão passar o dia a caminho do campo, carregar as suas carroças e levar as batatas acabadinhas de apanhar à cooperativa.

O trabalho não é difícil e passar o dia a atravessar a floresta para cá e para lá dá sempre origem a várias aventuras e peripécias.

Bom trabalho, meninos!

There is nothing better to do, than take a walk in the forest at the first ray of light. You can see some criatures of the night taking shelter, to rest during the day, and of course, see those ones who wake up with the daylight, ready to catch their first meal.

The flowers spread out into the sun, embracing the light and the heat, leaving behind the cold dawn, witch shrivell their stalks and leaves. You can also see mornind dew melt away, as the earth drinks it's drops.

The farm days start  very early, and today is potato harvesting day. João and Maria will take their part in the harvest, as they will carry in their wagon, fresh harvested potatos from the field to the farm cooperative.

It isn't a hard work and spending the day crossing the forest and the fields is a great way to pass the day.

Good job kids!

Irei onde fores

A pequena Bia nasceu há dias. Bate-lhe no pequeno peito um coração livre: mal se tinha nas pequenas patas e já explorava os limites do território. Com pequenas marradas a mãe tentava em vão mantê-la em segurança, mas a Bia teimava em afastar-se mais e mais. 

Foi dos elementos mais novos do rebanho a seguir a sua mãe para o pasto, e quando outros pequenotes ganhavam ainda confiança para trepar, já ela partilhava com a sua mãe a erva mais fresca dos topos mais elevados.

A pequena Bia é destemida, mas são os passos seguros e experientes da sua mãe que lhe indicam o caminho. É ela que lhe mostra em que pedras pode confiar e qual o melhor acesso à erva mais suculenta. A cabrita confia na sua mãe. De olhitos postos nela, trepa com a certeza de que o amor de mãe a protegerá para sempre. A mãe incentiva-a, chamando-a quando esta fica para trás atrapalhada, nalgum troço mais complicado. Por vezes volta a trás uns passos, para que a Bia possa ver como ultrapassar certos obstáculos. E ela lá vai superando cada escolho e conquistando cada topo mais difícil que o anterior. E as duas berram contentes com cada uma destas conquistas!

 

IMG_0187

 

Centro Hípico Sela Dourada

A Maria, a Matilde ea Mariana são três amigas que cresceram pelos corredores do Centro Hípico Sela Dourada. Por ali aprenderam a montar, a tratar dos cavalos e a deixar os arreios num brinco. Aprenderam dressage, a saltar e até competiram no circuito nacional. Aqui tiveram a sua primeira paixão pelo equitador, pelo filho do dono do centro e pelo rapaz que tratava dos estábulos dos animais, respectivamente. 
Apesar dos rumos diferentes que cada uma seguiu, a Maria engenharia, a Matilde arqueologia e a Mariana empresária por conta própria, continuam a reservar o último sábado de cada mês para passarem o dia no Centro e não dispensam um passeio matinal para colocar a conversa em dia.
Apesar de atarefadas, a amizade entre elas e pelos animais persiste e permanecerá para a geração seguinte, pois os gémeos Miguel e Rafael e a Alice, filhos da Maria e da Matilde respectivamente, são já clientes assíduos do Sela Dourada.

Alazão

O Alazão chegou à quinta há pouco tempo e ainda mal se habituou à sua nova casa.
 
Por outro lado, o Pedrocas já estabeleceu uma rotina que não dispensa: diariamente tem-se levantado sem queixumes ou pieguices e antes de ir tomar o seu pequeno-almoço, leva uma suculenta cenoura ao Alazão.
No final do dia, depois do trabalhos de casa feitos, novamente sem queixumes ou pieguices, passeia com o Alazão pela arreata no picadeiro da quinta. 
 
E tanta disciplina tem resultado: o Alazão já reconhece e confia no pequeno amigo.
Crescerão juntos e serão companheiros de vida.
 

Dia da Terra

A "terra" é o lugar de encontro da família e para os mais novos, rever os primos é sempre uma festa.

 

Na "terra" andam descalços e bebem água da fonte. Passam o dia e parte da noite na rua. Vão a casa para comer e dormir. A televisão é esquecida, e as bicicletas desfazem-se de tanto uso. Na "terra" as roupas de marca ficam arrumadas nos sacos de viagem e quaisquer calças cortadas em calções servem para entrar ribeira adentro à procura de rãs. Na "terra" chega-se a casa sujo, roto e com arranhões, mas com um enorme sorriso na cara.

 

Na "terra" partilham-se refeições, jogos e traquinices. Aprende-se a resolver zangas, a ouvir os outros e a encontrar consensos.

Na "terra" cresce-se um bocadinho todos os dias, em altura e no coração.

 

 

ps: sim, o dia da terra foi ontem, mas aqui fica a devida homenagem com um dia de atraso

A paixão da Família Nóbrega

Já vem de longe a paixão que os Nóbrega têm pelos cavalos. No currículo da família contam-se ínumeras participações em provas de saltos, dressage, gincanas e endurance, assim como são vários os seus exemplares que conquistaram títulos, pela excelência da reprodução.

 

Toda a família está envolvida neste projecto e nem os mais pequenos escapam. Desde bébés que respiram o ar das cavalariças e crescem muito próximo destes belos animais. Quando chega a sua vez de aprender a montar, tudo acontece com naturalidade e sem medos.

 

Actualmente possuem um conjunto campeão em endurance: A Ana e o Rofty.

A Puca, é a égua reprodutora que tem dado à luz os melhores equídeos.

 

Os primeiros dias de Primavera são magníficos para algumas limpezas e remodelações. As cavalariças vão ser renovadas e os animais vão ter uma casa totalmente renovada.

 

O passeio

O dia está perfeito para um passeio a cavalo.

O bosque está repleto de flores e todas as plantas se esticam para receber a luz do sol. As árvores abrigam nos seus ramos inúmeras aves, que se saracoteiam por ali, ora tomando banho, ora esfregando-se na areia junto ao rio para expulsar um ou outro piolhito. Um rouxinol que assobiava afinadamente esvoaça à passagem dos cavalos.

Nico e Rusty trotam livremente pelo caminho junto ao rio e aqui e ali chapinham pelas margens. Sabem bem os salpicos refrescantes que atingem as cavaleiras.

Não tarda nada, encontrarão uma pequena clareira ideal para deixar as montadas banquetearem-se com erva fresca enquanto dão um pequeno passeio a pé.

É de facto um dia perfeito!

 

 

A Negra

Arraçada de Labrador, mas com um instinto desmesurado para a caça, a Negra é companheira inseparável do Martim, numas boas caminhadas. Mal se distanciam o suficiente da aldeia, em que os ruídos do campo se sobrepõem aos da vida quotidiana da aldeia, a Negra saracoteia-se de tal forma, sinal de que é altura de a soltar.

 

E é então que ela desaparece pelos campos fora, perdida de excitação com tanto cheiro tão intenso. Por vezes o Martim perde-a de vista, ouvindo apenas por ali perto um certo restolhar, que imagina ser dela. Um dia trouxe-lhe na boca um pequeno rato do campo e noutro dia um pequeno coelho. É uma verdadeira caçadora!

 

A última vez que foram passear a Negra parecia relutante em sair da aldeia, parou inúmeras vezes no caminho, olhanado para trás com um olhar inquieto e deixava-se ficar para trás propositadamente. Certo de que algo não estava bem, o Martim encurtou o seu caminho e regressou a casa. A Negra desapareceu assim que entrou em casa e como não voltou a apareceu entretanto, o Martim foi procurá-la. Foi encontrá-la bem no fundo da sua casota para onde tinha arrastado 2 toalhas da casa de banho, olhando com ternura para duas pequenas bolas de pêlo acabadinhas de nascer!

 

Hoje os pequenitos dão o seu primeiro passeio fora da casota, vigiados atentamente pela Negra.